domingo, 13 de março de 2016

Sou sensível. E agora?

Dizem que é sensibilidade. Sou muito sensível. Eu chamo-lhe “florzinha-de-cheiro”. Ou algo do tipo “não-me-toques-que-me-estragas”. 
Não me venham dizer que ser sensível é uma bênção! Não é! Mas há que saber lidar com ela. E quem é sensível só tem de aceitar ser-se como é! 

*Ser sensível é veres as outras pessoas te mentirem na cara e tu notares perfeitamente a mentira dos outros. 

*Ser sensível é estar a chover e tu ficas triste porque sentes que o dia está triste. 

*Ser sensível é sentires alguém em baixo ao teu lado e tu ficas exatamente igual quando não consegues fazer nada para ajudar. 

*Ser sensível é estares distraído a sentir o que está à tua volta. 

*Ser sensível é ires simplesmente passear ao shopping e fazeres um post sobre esse assunto porque “sentiste coisas estranhas durante a estadia lá”. (ver este post

*Ser sensível é ires ao shopping e não fazes compras online porque precisas de sentir o que estás a comprar.

*Ser sensível é quereres ficar sozinha no teu canto e teres “amigas” que não percebem isso e deixam de falar contigo porque acham que estás zangada com elas. Quando o que tu mais queres é paz!

*Ser sensível é não poderes ver filmes de terror senão não dormes durante 15 dias.

*Ser sensível é chorar com um pôr-do-sol. 


*Ser sensível é sentires um abraço sincero de alguém e saberes que vales algo neste mundo!

*Ser sensível é um beijo nos lábios. Bem dado se faz favor.

*Ser sensível é oferecerem-te uma flor.

A sensibilidade tem o seu lado bom e o seu lado mau. Eu, pessoalmente, aprendi a lidar com a sensibilidade da melhor maneira possível. Se estou deprimida vivo essa depressão com muito carinho porque sei que vai passar. Num próximo passarinho a cantar ou numa nuvem com forma de porco. Passa sempre. 


Para os sensíveis que andam por aí: não vale a pena deprimir e deixar se levar pela depressão. Porque hoje tudo é mau mas daqui a um minuto passa. Basta mudar a perspectiva! 
Tudo começa na maneira como vemos as coisas. Como sentimos demais, sentimos demais o bom e o mau. E há que saber estar consciente disso para poder controlar. :)

Sem comentários: