quinta-feira, 14 de abril de 2016

Porque te amo e sou uma paneleira contigo.



Eu me entrego pros dias de sol
Pra camisas de banda e até pra chocolates 
Ou filmes de romance esquecidos na estante
Pros perfumes que deixam boas lembranças
Pras risadas que me tiram todo o ar

Às cores vibrantes do seu tênis que caminham em minha direção
Eu caminho devagar, se o tempo for bom
Não pense muito
No fim, tudo se adapta
Se alguém te deixou cego
Não questione, simplesmente vá

Se o errado pra mim for o certo
Eu não me importo
Se o errado pra mim for o certo
Eu não me importo, eu me entrego

Eu me entrego à sua bagunça na minha sala
A um bom livro antes de dormir
Ao hoje, ao agora e ao talvez?
Ao compromisso de realizar meus sonhos
Desapego até dos meus esconderijos, aos berros

Deixa, deixa aberta, aperte um sorriso
Num mundo colorido pra que viver apenas uma cor?
À música estrondosa, à casa vazia
Chão gelado e silêncio interior
Às bocas vermelhas, às meias de lurex
Às unhas compridas, tudo junto, só se for

Se o errado pra mim for o certo
Eu não me importo
Se o errado pra mim for o certo
Eu não me importo, eu me entrego

Eu me entrego apenas quando souber que o que iremos passar vai ter valido uma canção
Meia hora a mais na cama na segunda-feira um dia chuvoso bem embaixo do edredom 
Ao colo de quem me aceita assim
A tudo que puder antes que a cortina feche
Até de malas prontas, me arrisco a compor de um jeito que ninguém sabe
Sem sonhar com os pés no chão

Entregue-se àquilo que te faz sentir
Entregue-se àquilo que te faz...

Sem comentários: