quinta-feira, 31 de março de 2016

Equilíbrio

Já sei que a foto do post nada tem a ver com o título. Mas assim é o equilibro da Vida.

Hoje foi um dia cheio de emoções. Chorei, ri, tive ansiedade, tive amor... foi um dia desequilibrado como o tempo. Hoje choveu e fez sol.

Tal como eu. Que consigo no mesmo dia sentir um pouco de tudo e mais alguma coisa.

Em breve a semana acaba. E vamos começar de novo. Bora lá.

terça-feira, 29 de março de 2016

Sê Amor.


Florbela inspira quem sabe sentir. E eu sinto tanto...

A Vida

É vão o amor, o ódio, ou o desdém;
Inútil o desejo e o sentimento...
Lançar um grande amor aos pés de alguém
O mesmo é que lançar flores ao vento!

Todos somos no mundo" Pedro Sem",
Uma alegria é feita dum tormento,
Um riso é sempre o eco dum lamento,
Sabe-se lá um beijo de onde vem!

A mais nobre ilusão morre... desfaz-se...
Uma saudade morta em nós renasce
Que no mesmo momento é já perdida...

Amar-te a vida inteira eu não podia.
A gente esquece sempre o bem de um dia.
Que queres, meu Amor, se é isto a vida!


Mais da Florbela na página do Facetruques - aqui 

segunda-feira, 28 de março de 2016

Felicidade é:








Pensamentos parvos que me dão de vez em quando

Hoje dei por mim a pensar no crescimento diário de uma pessoa. Todos os dias pensamos que não acontece nada mas quando olhamos para trás é quando reparamos que "ah e tal a minha vida já deu 547 voltas" e ainda assim nós achávamos que nada acontecia.

Este fim de semana foi passado em família. Estivemos com os meus papás cá no Porto e demos um passeio por esta cidade que eu aprendi a amar.

E vi toda a mudança. Já não sou uma menina. Mas ainda sou a menina dos papás. Já não sou uma rebelde. Sou uma mulher. Já não faço "cenas". Sou uma menina crescida com maluquices saudáveis que não tenciono mudar.

Mas até o relacionamento com os meus pais está diferente. Estou grande mamã!
Já não preciso da opinião dos meus pais para tudo porque já tenho a minha. Já não peço autorização para coisas ridículas que sempre pedia. Já faço tudo sozinha.

Parece ridículo falar assim. Cómico até. Tenho 28 anos mas sempre fui e sempre serei a menina dos papás. Mas agora estou crescida. Cada vez mais desligadamente unida a eles.

E este fim de semana senti isso mais que nunca. Fizemos o almoço de Páscoa para eles. Com uma mesa onde nada faltou! E tudo estava maravilhoso.

Estivemos juntos na nossa casa. Na casa onde vivo com o meu companheiro. No meu cantinho. Onde deixo os meus pais entrar mas a mamã já não arruma nada! Nem o papá muda lâmpadas ou arrasta móveis! Agora eu faço tudo. Faço tudo em conjunto com o meu companheiro. E os papás ficam (e dói um bocadinho dizer isto) em segundo plano. Porque já não precisam de ajudar. Mas sim de aproveitar todos os miminhos e carinhos e comidinhas boas que fazemos para eles. Agora são eles que se sentam. E nós fazemos tudo para eles.

É gratificante. É maravilhoso. É magia. É Família.

E eu senti tudo isso a triplicar este fim de semana. Todo esse Amor louco que temos uns pelos outros. E essa agora independência também. Estou independente. Estou acompanhada. Estou feliz.

Só quero cuidar dos meus agora. Cuidar muito. E amar ainda mais.

Estou crescida. E isso assusta-me. Porque afinal eu até gosto disto.

sexta-feira, 25 de março de 2016

Dia de folga|De rastos

Hoje foi dia de fazer caminhada. Andamos nos treinos para Santiago e hoje foram mais 25km. Hoje sim... dói me tudo.

Fomos de casa até à baixa e aumentamos cinco km ao treino anterior.

Estamos de rastos. Mas chegar a casa e sentir que conseguimos ultrapassar mais um objetivo é gratificante.

Estou grata por estar a conseguir superar tudo. Suportar toda a dor.
Bora lá continuar isto. Já só falta 1 mês! :)

quinta-feira, 24 de março de 2016

Florbela diz:

Comprei o livro de Sonetos da Florbela Espanca e tenho me deliciado. Tenho-o sempre comigo. É tão bom! Estou viciada nela.
Vai ser a minha companhia nesta Páscoa.

Este fim de semana tem três dias! Tal como eu gosto! Podia ser sempre assim! :)

Aproveitem a família. E tirem tempo para ler.

sábado, 19 de março de 2016

Dia do Papá


E foi há cerca de 28 anos que o Senhor Mário adquiriu o tão belo nome de Pai.
O meu Amor de sempre e para sempre.
Que agora tem rugas e cabelos brancos mas continua jeitoso como sempre.

Lembro-me de ser pequenina e ver os pais das outras crianças com barrigas grandes e corpos robustos e o meu pai sempre foi um homem muito atraente, muito bem constituido.

Só o bigode o marcou como "cara-de-policia" como diziam os meus amigos! Sempre sério mas muito charmoso.

Hoje em dia já tem um sorriso maior. Ficou mais "coneirinho" como dizemos lá em casa e eu adoro que ele esteja assim.
Só quer miminho e pergunta sempre quando vamos vê-los outra vez. :)

E pensar que estive tão longe dele quando vivi em Andorra. Hoje em dia, a viver no Porto, nem chego a ter saudades! Posso ver os papás todas as semanas se quiser! É tão bom!

Gosto muito de ti papá. 15 tostões. Numa escala de 0 a 14. :)

sexta-feira, 18 de março de 2016

É Sexta-feira!!


Bora lá pra casa da mãe passar o fim-de-semana!! Uuhhuuu :)

Fim-de-semana.

E porque hoje é sexta-feira só me apetece dançar! 
(porque eu mesmo cansada tenho sempre energia para dançar!!)

Vem aí um fim de semana de caminhadas (ou isso espero) e treinos para o Caminho. Já tenho roupinha preparada para o sofrimento. 
(se for para arfar, que seja com estilo!)


Bom fim de semana! :D
 

Mantra para hoje.


quinta-feira, 17 de março de 2016

Perdi os Meus Fantásticos Castelos

Perdi meus fantásticos castelos
Como névoa distante que se esfuma...
Quis vencer, quis lutar, quis defendê-los:
Quebrei as minhas lanças uma a uma!

Perdi minhas galeras entre os gelos
Que se afundaram sobre um mar de bruma...
- Tantos escolhos! Quem podia vê-los? –
 Deitei-me ao mar e não salvei nenhuma!

 Perdi a minha taça, o meu anel,
A minha cota de aço, o meu corcel,
Perdi meu elmo de ouro e pedrarias...

Sobem-me aos lábios súplicas estranhas...
Sobre o meu coração pesam montanhas...
Olho assombrada as minhas mãos vazias...

Florbela Espanca, in "A Mensageira das Violetas"

Foca no Agora|STOP RIGHT NOW

Numa cidade grande como o Porto é muito fácil ver pessoas a correr (quase literalmente) de um lado para o outro.

Vemos pessoas a correr para o autocarro, vemos homens zangados a apitar dentro dos seus automóveis, vemos pessoas a passar a passadeira na estrada no vermelho-para-peões porque têm pressa para fazer sabe-se lá o quê. E dizem que não têm tempo.

E parar um bocadinho, não? E observar as árvores? E ver a paisagem? E cheirar a Primavera? E sentir o vento? Não?

Custa muito? Demora? É chato? Não há tempo?

Aconselho a todos os dias tirarem um tempo, um minuto que seja, e olhem à vossa volta. Não olhem apenas. Observem o que está à vossa volta! Respirem devagar e sintam a Vida! É tão bom!

Sintam o vosso coração e amem as "coisas" pequenas que este pequeno planeta nos dá. A árvore que vêem da janela de casa, o por-do-sol ao fundo, uma nuvem com forma engraçada...

Pára. Escuta. Olha.
Que o comboio da Vida passa e nós nem damos por ele...


terça-feira, 15 de março de 2016

Florbela Espanca diz e eu subscrevo:



Altos e Baixos

Quando não estamos bem, queixamo-nos que não estamos bem.
Quando estamos bem, pensamos que vai acontecer alguma coisa porque estamos bem.
Se está frio, deveria estar sol.
Se está sol, deveria estar mais fresco.

Esta nossa mania de achar que nada está certo. Este contentamento descontente. Que mania! Nunca estamos bem com o que temos!

Mas se pensarmos bem, todo o ser humano é assim! Sempre com queixas e mais queixas... e está errado! Devemos aceitar tudo o que vem porque tudo é como é e nem sempre é como queremos que seja...

Neste momento eu quero é Verão! :)
(quando vier o Verão vou querer o frio e os cobertores fofinhos...)

Uff!!



É bom partilhar boas energias!

E hoje já é terça-feira e ainda faltam 15 dias para o final do mês!

Mas haja alegria e bom humor que é o que se leva desta Vida!

Aproveitem o dia, o sol, a Primavera, as flores a nascer, os pássaros a cantar…

Sejam bons uns para os outros e acima de tudo aceitem-se a vocês próprios!

O resto vem!

segunda-feira, 14 de março de 2016

Be nice to people.


Mais amor por favor.

Gostava que um dia as pessoas deixassem de ser más umas para as outras.

Mas isso é uma utopia impossível de realizar.
Sendo assim, prefiro pensar na compaixão e no amor ao outro independentemente do estado de espírito da outra pessoa.

Gosto de acreditar que as pessoas se são más, é porque têm ou tiveram algo na sua vida que as fez ficar assim.
Eu própria num momento da minha vida fui má. Arrogante e prepotente. Assumo isso. Estava mal com a vida e muitas pessoas pagaram com isso. Até que aprendi que as outras pessoas não têm culpa!
Eu era a culpada de tudo e quando assumi isso, deixei de ser má. E passei a ser mais compreensiva. Aprendi a controlar as minhas próprias emoções e a não magoar os outros.

Não podemos entregar a culpa aos outros quando está dentro de nós a maldade e o mau humor. Eu sei que quando alguém não está bem, não consegue ficar bem para o outro. Mas hoje em dia aprendi eu também a controlar os humores internos. Se estou mal disposta deixo me estar no meu canto e cabe-me a mim mudar e deixar de estar mal disposta. Em nenhum momento vou culpar uma outra pessoa pelo meu mal estar. Não é justo.

Nós criamos tudo. Dentro da nossa cabeça. Mas ainda há pessoas que entregam os seus males aos outros. Depositam toda a culpa no outro e esquecem-se que quem causa tudo são as próprias pessoas. A isto se chama consciência. Ter consciência do que vai na nossa própria cabeça.

Aceitar, assumir e deixar ir.


Monday Mantra


Foto do Pinterest

domingo, 13 de março de 2016

Meditando.


Foto do Pinterest.

Sou sensível. E agora?

Dizem que é sensibilidade. Sou muito sensível. Eu chamo-lhe “florzinha-de-cheiro”. Ou algo do tipo “não-me-toques-que-me-estragas”. 
Não me venham dizer que ser sensível é uma bênção! Não é! Mas há que saber lidar com ela. E quem é sensível só tem de aceitar ser-se como é! 

*Ser sensível é veres as outras pessoas te mentirem na cara e tu notares perfeitamente a mentira dos outros. 

*Ser sensível é estar a chover e tu ficas triste porque sentes que o dia está triste. 

*Ser sensível é sentires alguém em baixo ao teu lado e tu ficas exatamente igual quando não consegues fazer nada para ajudar. 

*Ser sensível é estares distraído a sentir o que está à tua volta. 

*Ser sensível é ires simplesmente passear ao shopping e fazeres um post sobre esse assunto porque “sentiste coisas estranhas durante a estadia lá”. (ver este post

*Ser sensível é ires ao shopping e não fazes compras online porque precisas de sentir o que estás a comprar.

*Ser sensível é quereres ficar sozinha no teu canto e teres “amigas” que não percebem isso e deixam de falar contigo porque acham que estás zangada com elas. Quando o que tu mais queres é paz!

*Ser sensível é não poderes ver filmes de terror senão não dormes durante 15 dias.

*Ser sensível é chorar com um pôr-do-sol. 


*Ser sensível é sentires um abraço sincero de alguém e saberes que vales algo neste mundo!

*Ser sensível é um beijo nos lábios. Bem dado se faz favor.

*Ser sensível é oferecerem-te uma flor.

A sensibilidade tem o seu lado bom e o seu lado mau. Eu, pessoalmente, aprendi a lidar com a sensibilidade da melhor maneira possível. Se estou deprimida vivo essa depressão com muito carinho porque sei que vai passar. Num próximo passarinho a cantar ou numa nuvem com forma de porco. Passa sempre. 


Para os sensíveis que andam por aí: não vale a pena deprimir e deixar se levar pela depressão. Porque hoje tudo é mau mas daqui a um minuto passa. Basta mudar a perspectiva! 
Tudo começa na maneira como vemos as coisas. Como sentimos demais, sentimos demais o bom e o mau. E há que saber estar consciente disso para poder controlar. :)

Tempo de Domingo

Este fim-de-semana foi mais pequeno. Trabalhei no sábado e por isso foi mais complicado gerir tempos. Pois sim, estou de novo com dilemas com o tempo.
As eternas discussões sobre tempos, gestão de tempos e ainda espectativas de tempos.

Nunca temos o mesmo tempo todos os dias. Já por isso se diz que o tempo é relativo. Há dias que parece que me custa imenso passar as horas e por isso consigo fazer mais coisas, e há outros que mais parece que o dia tem 14 horas e não 24 e fica tudo atraso e eu stresso-me toda!

Hoje parece ser um daqueles dias que vão demorar a passar. Estipulei tempos para mim. Trabalhar no blog até às 15h e arrumar a casa até às 17h de forma a ter uma hora até o mais-que-tudo chegar e ver-me linda e perfumada só para ele. Este é o projeto. O objetivo. E a ação? Será assim também? Geralmente nunca é, mas acreditem que eu tento.

Temos falado por aqui que não temos saído. Adoro viver no Porto e passear pelas ruas da cidade. Mas ultimamente com o frio e a chuva que tem estado, tem se tornado difícil ate ir por o lixo lá fora! Acredito que agora com o tempo a melhorar (mais uma vez o tempo a meter-se na minha vida); poderemos passear mais e até fazer mais caminhadas de noite para a preparação para o Caminho. Confesso que não temos treinado nada e só ir a pé do trabalho para casa já me cansou um bocadinho.

E assim mantenho o meu dilema com o tempo. Esse maldito que me controla todos os dias. Quem foi o palerma que inventou o tempo? Quem é que decidiu que o tempo tem 24h? Porque tem de ser assim? Podiam também ter pensado em fazer um “fim-de-semana” com 3 dias… quem manda nisto? A quem posso enviar um email com uma reclamação?

Enfim… chega de brincadeira que hoje é dia de muito trabalho!! E pouco tempo!

Há que aceitar o que temos! Aceitar o que vem todos os dias. Mesmo quando é o tempo a tentar nos roubar tempo.


Foto do Pinterest. (E que grande foto! Eu não diria melhor!)

sexta-feira, 4 de março de 2016

Estamos crescidos...

Hoje dei por mim à espera do autocarro para ir para casa. Reparei nas pessoas a chegar ao shopping para ir ao cinema à sessão das 21h.

Ainda há sessão das 21h? Ainda há cinema? Há anos que não vou ao cinema. Hoje em dia há uma coisa chamada Internet, há outra chamada download e outra ainda chamada online... Estes três termos que falo fazem me ficar em casa. Por isso não vou ao cinema...fora do sofá.

Mas não é sobre isso que escrevo. Escrevo sim pelo simples facto de reparar que estava à espera do autocarro para ir para casa! Às 20.30h.

Vocês percebem a gravidade do assunto? Estava a sair do trabalho (!) e tinha gente que já tinha jantado e se preparado para sair à noite e ir ao cinema!!!

Nestes momentos lembro me que cresci. Lembro dos tempos sem telemóvel onde apenas se dizia "às 9h no café". E hoje, com quase trinta... quero é ir para casa e vestir o pijama e ficar deitada no sofá!

Além disso hoje ouvi uma discussão entre mãe e filha cá no prédio. Pelos vistos a adolescente é como eu (há uns 15 anos atrás...quinze anos?!?! Já?)... ah e tal... vai para a noitada com as amigas e não quer levar uma camisola grossa porque nos bares não está frio (essa foi a minha desculpa durante anos)... e a gritaria que foi por causa da camisola quente de gola alta! Até o irmão se pôs ao barulho e lá foi a rapariga sair sem o raio da camisola e a promessa de não ficar doente.

Eu... Com os meus quase trinta cheguei a casa, despi a roupa do trabalho e vesti o pijama, um robe e umas meias grossas que lá me importa a beleza! Quero é estar quentinha no meu lar!!!

Ser adulto é terrível! Já diz o Peter Pan "don't grow up, it's a trap!" E tem toda a razão oh se tem!

quarta-feira, 2 de março de 2016

Nem tudo o que parece é.



Isto serve para aprender que não se pode acreditar em tudo o que vemos, não se pode ser teimoso, muito menos deixar a vida andar sem ser cauteloso.

Eu adoro a forma de viver que levo, que envolve loucuras e impulsos, mas sou sempre cautelosa, Não vá aparecer por aí um "crocodilo" que me lixe!!...

Video da BirdBox Studio.